Bloqueio de água preocupa produtores de arroz em SP

Pela primeira vez desde que sua família começou a cultivar arroz, há três gerações, o produtor Rodolfo Kopel, de Guaratinguetá (São Paulo), pode ser impedido de plantar o cereal na próxima safra. O motivo: falta de água.

Segundo ele e a Cooperativa dos Produtores de Arroz do Vale do Paraíba, o Daee (Departamento de Águas e Energia Elétrica, do governo do Estado) avisou os agricultores daquela região que, se não chover, o órgão vai bloquear o uso da água.

"Se não pudermos retirar água do rio, não há como plantar", diz Kopel, que faz parte da região maior produtora de arroz em São Paulo. Os produtores da região retiram a maior parte da água de afluentes do Paraíba do Sul.

"O Daee não nos fala qual é o planejamento. Só sabemos que, se não houver água, vão proibir os produtores de tirar água do rio", diz Rodrigo Amadei, engenheiro agrônomo da cooperativa de arroz. Os preparativos para a próxima safra iniciam em abril.

Técnicos do Estado sugeriram aos produtores trocar o arroz por milho e soja, que consomem menos água, mas o solo da região não é adequado para essas culturas.

O Daee confirma que avisou os produtores, em reuniões, sobre o risco de corte da água. O órgão diz, porém, que, num caso extremo de seca, a primeira medida seria reduzir a captação da água e, só depois, a retirada de água dos rios seria impedida.

A produção da região, estimada inicialmente em 1 milhão de sacos (60 milhões de quilos), caiu para menos de 800 mil sacos. São Paulo não é um dos principais polos produtores de arroz do país (Folha de S.Paulo, 7/3/15)