Brasil abre mercado e envia milho à China

Carregamento, porém, não clareia as incertezas sobre exportações. Ministro da Agricultura brasileiro irá a Pequim neste mês para tentar destravar pendências comerciais.
Um navio carregado de milho partiu em meados de setembro do Brasil e deve chegar nos próximos dias à China. É o primeiro embarque desde que o mercado chinês foi oficialmente reaberto ao cereal brasileiro, no fim de março.
O envio foi comemorado como um avanço pelas autoridades brasileiras, mas não clareou as incertezas que ainda cercam a exportação de milho para a China.
A maior dúvida é em relação a uma variedade de milho transgênico usada no Brasil, MIR 162, que não foi aprovada pelo Ministério da Agricultura chinês.
A variedade também é a mais usada pelos produtores dos EUA e da Argentina, que ao lado do Brasil estão entre os três maiores exportadores de milho do mundo.
No início do ano, a China barrou um carregamento do cereal procedente dos EUA, alegando ter detectado indícios da variedade MIR 162.
O carregamento que está a caminho da China não deve ter problemas, pois supostamente contem milho convencional ou de variedades transgênicas já aprovadas.
O caminho para as vendas de milho do Brasil para a China foi aberto em novembro do ano passado, com o acordo fitossanitário assinado entre os países.
O primeiro envio só ocorreu agora, dez meses depois, devida às dúvidas sobre a aprovação de sementes geneticamente modificados por parte das autoridades chinesas.
Para tratar dessa e de outras pendências, o ministro da Agricultura do Brasil, Neri Geller, planeja vir em meados de novembro a Pequim.
A visita ainda não está confirmada porque as datas previstas coincidem com a cúpula do bloco econômico Apec (Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico), o que dificulta o agendamento de encontros com o governo chinês.
Cercada de um mega esquema de segurança, a reunião da Apec terá a presença do presidente dos EUA, Barack Obama, entre chefes de Estado dos 21 países membros.
A China não tem pressa de liberar a entrada de mais milho, uma vez que está com excesso de estoque. Recentemente, realizou um grande leilão do cereal.
Apesar de ser um bom indício, o recente envio de milho brasileiro para a China não ocorre num momento muito propício para a exportação.
Como é muito mais barato comprar milho de fora do país do que a produção doméstica, o governo chinês decidiu restringir a importação, anunciou na semana passada o vice-premiê Wang Yang.
"A grande diferença entre os mercados estrangeiros e os domésticos causou uma disparada na importação de grãos. O estoque do outono corre sérios riscos", disse.
Outra pendência que o ministro brasileiro tentará destravar em Pequim, caso sua visita se confirme, será a entrada da carne bovina brasileira na China.
É outra abertura de mercado chinês que ainda não saiu do papel. O produto foi barrado pela China no fim de 2012, devido a um caso atípico do mal da vaca louca. Em julho foi anunciada a suspensão do embargo, durante a visita ao Brasil do líder chinês, Xi Jinping. Mas até agora os procedimentos não foram finalizados e a decisão não entrou em vigor (Folha de S.Paulo, 1/11/14)